Camila Fremder

Nasci em São Paulo, mais precisamente no dia 18 de novembro de 1981. Sou formada em propaganda e marketing e pós-graduada em roteiro para TV e cinema.

Nunca achei que fosse virar escritora, mas tudo começou em 2007 quando resolvi fazer um blog de crônicas e criei o “Parece filme, mas é vida mesmo…”. Em 2009 tive a surpresa de ter seis textos meus publicados em um livro que lançava novos autores, chamado Prólogo#1, foi aí que peguei gosto pela coisa até que o “Parece filme, mas é vida mesmo…” virou livro em 2011.

Nesse meio tempo comecei a desenvolver conteúdo para empresas, revistas, sites e blogs, além de roteiros para diversas produtoras. Pois é, também nunca achei que fosse virar roteirista.

Já escrevi para muitas revistas femininas, como TPM, Harpers Bazaar e Glamour, onde tive uma coluna por 4 anos.

No final de 2013, em parceria com a amiga Jana Rosa, lancei o livro “Como ter uma vida normal sendo louca” e depois em 2015 o livro “Enfim, 30”.

Adoro o que faço e nesse site você pode acompanhar meus textos, novos trabalhos e um pouco do que me inspira.

 

  • Jornal Meio e Mensagem

    Jornal Meio e Mensagem

    Março de 2014

    Entrevista para o Iba

    Entrevista para o Iba

    Janeiro de 2014

  • Entrevista no Jô Soares

    Entrevista no Jô Soares

    Dezembro de 2013

    Programa Fátima Bernardes

    Programa Fátima Bernardes

    Dezembro de 2013

  • O Globo

    O Globo

    Dezembro de2013

    Revista Veja SP

    Revista Veja SP

    Novembro 2013

Anterior Próximo

E-mail – camila.fremder@gmail.com

Camila Fremder

Me deixem ir embora

Postado por

TEXTO 1 DA MARATONA DE 30 TEXTOS – CAMI E JANA

Toda vez que eu tô numa festa, jantar, aniversário ou coisa do tipo ninguém me deixa ir embora na hora que eu quero. As pessoas simplesmente não aceitam que durante a maravilhosa companhia delas eu sinto, do nada, uma vontade muito grande de ir embora, assim, sem mais nem menos. Ficam tentando me convencer com aquele papo de, “Mas ainda tá tão cedo!” ou “Calma, toma mais um drink…” enquanto eu dou mil desculpas para tentar explicar o inexplicável.

O meu sonho era estalar os dedos e desaparecer, evaporar, ser teletransportada para a minha casa. Sabe um super-herói que recebe um chamado urgente e saí voando por uma janela? Então, queria muito sair voando e que todo mundo entendesse essa minha urgência de sumir.

–       Cadê a Camila?

–       Então, acho que ela já foi embora porque olha só, a janela da sala tá escancarada.

–       Ai que bom que ela foi, ela deve estar nos salvando de algum monstro que veio de um outro planeta, né?

–       Sim, eu me sinto muito seguro toda vez que ela sai voando pela janela da minha casa sem dar explicações.

 

super