Camila Fremder

Nasci em São Paulo, mais precisamente no dia 18 de novembro de 1981. Sou formada em propaganda e marketing e pós-graduada em roteiro para TV e cinema.

Nunca achei que fosse virar escritora, mas tudo começou em 2007 quando resolvi fazer um blog de crônicas e criei o “Parece filme, mas é vida mesmo…”. Em 2009 tive a surpresa de ter seis textos meus publicados em um livro que lançava novos autores, chamado Prólogo#1, foi aí que peguei gosto pela coisa até que o “Parece filme, mas é vida mesmo…” virou livro em 2011.

Nesse meio tempo comecei a desenvolver conteúdo para empresas, revistas, sites e blogs, além de roteiros para diversas produtoras. Pois é, também nunca achei que fosse virar roteirista.

Já escrevi para muitas revistas femininas, como TPM, Harpers Bazaar e Glamour, onde tive uma coluna por 4 anos.

No final de 2013, em parceria com a amiga Jana Rosa, lancei o livro “Como ter uma vida normal sendo louca” e depois em 2015 o livro “Enfim, 30”.

Adoro o que faço e nesse site você pode acompanhar meus textos, novos trabalhos e um pouco do que me inspira.

 

  • Jornal Meio e Mensagem

    Jornal Meio e Mensagem

    Março de 2014

    Entrevista para o Iba

    Entrevista para o Iba

    Janeiro de 2014

  • Entrevista no Jô Soares

    Entrevista no Jô Soares

    Dezembro de 2013

    Programa Fátima Bernardes

    Programa Fátima Bernardes

    Dezembro de 2013

  • O Globo

    O Globo

    Dezembro de2013

    Revista Veja SP

    Revista Veja SP

    Novembro 2013

Anterior Próximo

E-mail – camila.fremder@gmail.com

Camila Fremder

Na Pilha

Postado por

TEXTO 12 DA MARATONA DE 30 TEXTOS – CAMI E JANA

Eu tenho um problema com pilhas, principalmente porque eu não sei comprar. Quem inventou essa coisa de AA, AAA, C, D? Eu sempre fico tentando explicar para o moço da loja de conveniência aqui da esquina, “Não é a menor de todas, é a terceira menor, sabe? Sem ser a do controle da TV, a outra”. E ele fica, “É a AA que você quer ou a AAA?”.

Quando acaba a pilha do controle remoto aqui em casa eu passo meses roubando as pilhas de outros controles que não uso muito até resolver sair para comprar pilhas, e já me aconteceu de fazer a louca e comprar logo um monte de pilhas, mas bem no dia que preciso delas as encontro meladas e estragadas na gaveta da cozinha. Acho muita sacanagem pilha estragar.

Esses dias ganhei uma dessas velas a pilha, ela balança a chama pra parecer que tá acesa de verdade e tem até um timer para eu programar a sua acendida para às 20hrs, por exemplo. A pilha que vai dentro dela é tão absurdamente grande que tira totalmente a modernidade da vela. Desisti e acendo as vela de verdade, quando as apago a casa fica com cheiro de “parabéns a você” e eu adoro.

Uma pena que o controle remoto não funcione com fósforos, continuo na luta entre AA e AAA…

candle-32375_640