Camila Fremder

Nasci em São Paulo, mais precisamente no dia 18 de novembro de 1981. Sou formada em propaganda e marketing e pós-graduada em roteiro para TV e cinema.

Nunca achei que fosse virar escritora, mas tudo começou em 2007 quando resolvi fazer um blog de crônicas e criei o “Parece filme, mas é vida mesmo…”. Em 2009 tive a surpresa de ter seis textos meus publicados em um livro que lançava novos autores, chamado Prólogo#1, foi aí que peguei gosto pela coisa até que o “Parece filme, mas é vida mesmo…” virou livro em 2011.

Nesse meio tempo comecei a desenvolver conteúdo para empresas, revistas, sites e blogs, além de roteiros para diversas produtoras. Pois é, também nunca achei que fosse virar roteirista.

Já escrevi para muitas revistas femininas, como TPM, Harpers Bazaar e Glamour, onde tive uma coluna por 4 anos.

No final de 2013, em parceria com a amiga Jana Rosa, lancei o livro “Como ter uma vida normal sendo louca” e depois em 2015 o livro “Enfim, 30”.

Adoro o que faço e nesse site você pode acompanhar meus textos, novos trabalhos e um pouco do que me inspira.

 

  • Jornal Meio e Mensagem

    Jornal Meio e Mensagem

    Março de 2014

    Entrevista para o Iba

    Entrevista para o Iba

    Janeiro de 2014

  • Entrevista no Jô Soares

    Entrevista no Jô Soares

    Dezembro de 2013

    Programa Fátima Bernardes

    Programa Fátima Bernardes

    Dezembro de 2013

  • O Globo

    O Globo

    Dezembro de2013

    Revista Veja SP

    Revista Veja SP

    Novembro 2013

Anterior Próximo

E-mail – camila.fremder@gmail.com

Camila Fremder

DR da tecnologia

Postado por

Mando vários e-mails e mensagens de texto via celular, mas esses não são os únicos motivos que me fazem usar o corretor ortográfico, adoro vivenciar a criatividade do programa na hora de corrigir minhas palavras por coisas surreais. Mas cuidado, o diálogo abaixo mostra como a tecnologia pode te tornar a maluca da relação criando uma fake dr (discutir relação), e para entender o que eu estava tentando dizer basta substituir a palavra fácil por facul (de faculdade), Suzana por Sussa (de tranquilo) e habitantes por hahahahaha:

 

–       Oi Cá, liga aqui!

–       Fácil agora, né?

–       Tá tudo bem?

–       Suzana.

–       Quem é Suzana?

–        Não sei.

–       Camila, você tá doida?

–       Habitantes.

“A gente vai se falando…”

Postado por

Aprendi a usar o “A gente vai se falando…” durante a minha adolescência. Meu erro foi demorar a compreender o seu real significado, mas após algumas noites de insônia esperando o telefone tocar ou um e-mail chegar, percebi a magia do “A gente vai se falando…”. Por isso, ressalto a extrema importância que um passado cheio de decepções e frustrações amorosas possa ter. O que ontem te fez chorar, hoje te deixa mais forte e mais preparada para a vida.

O “A gente vai se falando…”  pode ser tanto falado quanto escrito.  Engana-se quem pensa que a frase é dita só em situações amorosas ou de paquera. O “A gente vai se falando…” é versátil e pode ser usado com os seus parentes, no trabalho e na faculdade.

Nenhuma outra expressão carrega a falta de objetividade com tanta sutileza como o “A gente vai se falando…” o “A gente se vê…” por exemplo, soa falso, porque ver alguém exige mais esforço do que simplesmente entrar em contato com alguém. Já o “Me liga…” joga a bomba pra outra pessoas, que pode de fato vir a te ligar. E por fim, o “Vamos marcar alguma?” estende o papo por mais tempo que o desejado quando a pessoa responde coisas do tipo, “Quando você pode?” ou “Onde é mais fácil pra você?”.

O “A gente vai se falando…” pode dizer tudo e nada ao mesmo tempo. Ele é uma ideia de que alguém, talvez em alguma momento da vida, não se sabe quando, tente falar com você. E pra sobreviver no mundo de hoje em dia, é melhor que “A gente vá se falando…”.

Melhores frases do meu twitter – Maio

Postado por

Eu tô atrasada, eu sei, mas vocês me perdoam?

1 – Pizza tem vitamina, né?

2 – “Eu não quero esse seu dinheiro de merda!” eu disse pra ele. “Mas senhora, isso é o seu troco…” respondeu o rapaz do caixa.

3 – Eu devo ter cara de bandida. Só isso explica o vizinho ter fechado o portão do prédio rápido quando me viu chegando.

4 – Meu analista disse q não me dá desconto se eu divulga-lo em minhas redes sociais. E agora eu não entendo mesmo mais nada sobre a vida.

5 – E aí quando você twitta uma ironia basta aguardar 5 ou 10 min e algum “gênio” vem te “explicar” a vida.

6 – Não suporto mais as legendas “A Musa” As Divas” “A Deusa” “Sapato Deuso” (existe isso?) e na foto tem umas minas com cara de mané.

7 – Acabaram com as cabines telefônicas sem pensar q o super-homem não teria mais onde se trocar. Esse é o mundo q a gente vive.

8 – Eu apoio essas pessoas que fazem festas de casamento, se a coisa der errado vende a prataria e viaja pra Jamaica #positividade

9 – Qual terreiro vcs frequentaram pra passar a fase 65 do candy crush?

10 – Ter vontade de rir no meio da reunião porque a pessoa disse “Ter tudo” e ficou “tetudo”/ bjos

11 – Sobre minhas fotos do passado: “No q eu estava pensando?” e “Pq ninguém me impediu?”

12 – Gente olha só, quem me ver andando pela rua e avistar um cabelo branco pode arrancar da minha cabeça sem nem falar comigo, ok?

13 – Devia ter dormido de uniforme… Ah é, eu tenho 31, trabalho e preciso escolher uma roupa. Que legal.

14 – Meu nome no ichat da agencia é freela6 e o bom disso é receber mensagens por engano e levar uma conversa amena com simpáticos desconhecidos.

15 – Por que o Fabio Assunção tá andando todo esbaforido numa estrada no campo na propaganda da Nextel? A Land dele quebrou?

16 – To numa locação que só toca punk rock e tem 3 tipos de bolacha pra comer. Praticamente em casa.